CRCSP e Sindcont-SP realizam reunião técnica do Grupo IFRS

Publicado em 13/9/2018

Na noite desta quinta-feira (13), o Sindicato dos Contabilistas de São Paulo (Sindcont-SP) recebeu uma palestra sobre “NBC TG 25 (R2) – Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes”. A atividade foi realizada em parceria com o Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo - CRCSP. O diretor Cultural do Sindcont-SP, Claudinei Tonon, realizou a abertura da atividade. O vice-presidente do Sindicato, Geraldo Carlos Lima, e a conselheira do CRCSP Selma do Carmo Ribeiro prestigiaram o evento.

A palestra foi ministrada por Nabil Ahmad Mourad, que é Profissional da Contabilidade, mestre em Contabilidade Internacional e Finanças pela John Moores University - Liverpool, Reino Unido. 

Mourad, que trabalha como consultor tanto no Brasil quanto na Inglaterra, contou que faltam profissionais que entendam de Contabilidade no mercado. “Há muitos Contadores, mas poucos que realmente conhecem a Contabilidade, especialmente ligada às finanças”. As provisões foram o principal foco da palestra.

Ao longo da palestra, o profissional reforçou este conceito, afirmando que os Profissionais da Contabilidade de hoje estão apenas fazendo DARF e logo isso vai estar fora do mercado. Assim, Nabil explicou que a nomenclatura deixou de ser Provisão para Devedores Duvidosos - PDD e passou a ser Perdas Estimadas em Créditos de Liquidação Duvidosa. “A provisão não é apenas uma conta que você vai colocar no passivo. É algo muito mais complexo e que afeta diretamente o seu cliente, então é preciso ter um pensamento gerencial para fazer um trabalho bem feito”. 

“Pensando inclusive no quesito profissão, temos que partir para áreas onde realmente somos necessários. A DARF em breve qualquer sistema fará. Por isso eu enfatizo que todo Contador precisa ser especialista em alguma coisa.”

Mourad explicou ainda que uma demonstração financeira precisa ser pensada no público que irá utilizá-la e para o que ela serve. Se for para o empresário, ela deverá enfatizar determinada informação, por exemplo. Se for para um investidor ou ainda um banco, o dado relevante será outro. 

“Não se deve omitir informações relevantes para o nosso público alvo. Dados de passivo trabalhista em uma empresa onde este é o maior gasto são importantes”, salientou. Por isso, segundo o palestrante, é preciso ter senso crítico ao trabalhar com Contabilidade.

Fonte: Sindcont-SP – Katherine Coutinho.